BRICS são as iniciais de países que formaram um bloco exclusivamente dedicado ao fomento econômico e comercial entre as 4 nações que compuseram inicialmente o bloco: Brasil, Rússia, Índia, China e recentemente foi convidado a South África que passou a fazer parte do bloco.

Foi criada em 2001 pelo economista Jim O Neill, analista de mercado do grupo Goldman Sachs (um dos maiores bancos de investimento do mundo), no relatório intitulado Building Better Global Economic Brics.

“Ele fez uma previsão de crescimento econômico no mundo para os próximos 50 anos e chegou à conclusão de que justamente essas 4 nações eram as que mais se destacavam”.

Entre os maiores estudiosos da geopolítica mundial, dentro das próximas décadas, esses países ocuparão o topo no ranking das maiores economias do mundo. Ainda segundo pesquisas, as quatro nações respondem por 15% do produto interno bruto (PIB) do mundo e concentram cerca de 40% da população total do planeta.

Brasil e Rússia possuem abundância de recursos naturais, enquanto China e Índia, de mão de obra.

O BRICS não é um bloco econômico como o Mercosul, nem político como a União Europeia ou militar como a OTAN. O BRICS tem um conceito ligado a grandes mercados emergentes.

O BRICS representa uma ameaça aos Estados Unidos, porque se houver uma reviravolta militar no mundo, o BRICS pode se tornar a maior potência atômica do mundo e com o maior aparato militar do planeta com 15 milhões de soldados armados e disponibilizados para qualquer eventualidade.

Na última reunião do bloco, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, não permitiu a entrada de Michel Temer na reunião, em represaria ao impeachment da presidente Sra. Dilma Rousseff, alinhada politicamente a Vladimir Putin, mas ainda o Brasil pertence ao BRICS e para sua continuidade, o Brasil precisa buscar sua neutralidade no campo político internacional, senão vamos perder essa grande oportunidade comercial. Para que isto aconteça dependemos de uma intervenção militar no Brasil para que seja costurado um novo acordo dentro do princípio da neutralidade neste importante bloco econômico e comercial.

O Brasil está em grande desvantagem no campo diplomático em virtude da má conduta dos nossos políticos na condução do país. As chancelarias internacionais estudam e pesquisam os representantes parceiros nas relações internacionais e sabem que estão lidando com homens corruptos, falsos e mentirosos, sem escrúpulo e sem dignidade e ainda são traidores da Pátria, como no caso de José Serra que tem uma pendência com a Lava Jato de 20 milhões e da mesma forma Michel Temer, além de fraudar as urnas eletrônicas junto com Dilma Rousseff nas eleições de 2014, sua pendência com a Lava Jato é de 5 milhões de Reais, surrupiado dos cofres públicos. Também Aloisio Nunes, hoje ministro das Relações Exteriores, além da identidade de terrorista, é um marxista-leninista Fabiano, foi subversivo e guerrilheiro contra o Brasil no regime militar democrático de 1964. Roubou e matou, derramando sangue inocente dos nossos soldados brasileiros. Caluniou e difamou os militares de 1964 e colaborou com a “Comissão mentirosa da Verdade” criada pelo PT da Sra. Dilma Rousseff então presidente da República. Os representantes reflete o caráter de uma nação. O Brasil está mais sujo do que pau de galinheiro perante a comunidade internacional. O Brasil é visto como uma nação sem caráter. Só mudaremos esta situação através de uma intervenção militar no Brasil.

 

  O CARÁTER DE UMA NAÇÃO É CONHECIDO POR SEUS REPRESENTANTES.

 O BRASIL NÃO TEM CARÁTER!

 

URGENTE: INTERVENÇÃO MILITAR NO BRASIL AGORA!

 

Vamos pedir Intervenção Militar Já. Hoje no Brasil as Forças Armadas é a única instituição que ainda está de pé, tem caráter, é íntegra no seu dever e tem um currículo exemplar e um histórico de patriotismo e amor à Pátria na pessoa do seu patrono imortal: Duque de Caxias.   

 

Vídeos consultados:

O que são os BRICS ?

 

BRICS – Um breve esclarecimento

 

BRICS, o maior inimigo dos EUA e o motivo do golpe no…

 

BRICS: A mais poderosa união militar do mundo!

 

BRICS AS FUTURAS SUPERPOTÊNCIAS

 

 

UNIÃO NACIONAL EM DEFESA DA PÁTRIA E LIBERDADE